728 x 90
[lbg_audio8_html5_shoutcast settings_id="1"]

Ed Sheeran – No. 6 Collaborations Project

Compositor dá espaço para nomes diferentes e flutua em sonoridade e qualidade

Não há quem duvide do poder de Ed Sheeran na indústria musical. Mas se houvesse, o novo álbum do compositor, No. 6 Collaborations Project, veio para provar tudo que ele consegue, inclusive reunir os gigantes de hoje e de outrora, desde Camilla CabelloCardi B e Eminem. Mas o real valor do quarto álbum de Sheeran não é exibir suas capacidades, e sim dos outros. Neste trabalho, Sheeran soube combinar perfeitamente o seu estilo com de seus convidados, e ainda aproveitou o momento para dar espaço para nomes que ascendem na cena atual, como H.E.R e Pedro Loma.

É difícil definir o gênero de No. 6 Collaborations Project, mas isso faz sentido com a ideia principal do projeto. O trabalho é mais coerente quando encarado como uma coletânea, porque cada faixa tem seu jeito único, e contrasta com a próxima. Isso fica claro quando se compara duas das melhores faixas do disco, “South Of The Border”, um pop latino com a identidade clara de suas convidadas, Camila Cabello e Cardi B, e a faixa de encerramento, “Blow”, um rock n’ roll bem feito ao lado de Chris Stapleton e Bruno Mars.

Deste modo, o álbum cresce de acordo com o convidado de cada faixa, e se torna mais intrigante à medida em que as colaborações funcionam. “Antisocial”, com Travis Scott, e “Remember The Name”, com 50 Cent e Eminem, são dois exemplos perfeitos: nelas, Sheeran justifica sua insistência no rap com auxílio de nomes bem melhores que ele no estilo, e exemplifica sua capacidade de se colocar atrás de seus convidados. “Remember The Name”, um dos destaques do disco, traz um refrão cativante e nostálgico de 50 Cent que brilha mais que diversos momentos de Sheeran em seu próprio trabalho. 

Por mais que o line-up seja impressionante, do mesmo jeito que flutua por sonoridade, No. 6 Collaborations Project também varia em qualidade. A lista de faixas tem conexão pela presença de Sheeran apenas, e diversas vezes acabam soando como fillers, como “Take Me Back To London”, “Feels” ou “Put It All on Me”. Momentos como estes sugerem que talvez Sheeran devesse ter optado por seguir lançando EPs colaborativos; se tivesse reunido 6 de seus destaques em um álbum curto, que incluiria também “I Don’t Care” (com Justin Bieber) e “I Dont Want Your Money”, (com H.E.RNo. 6 Collaborations Project seria definitivamente certeiro. 

O maior mérito do novo álbum de Sheeran foi a capacidade do compositor de dar espaço real para a assinatura de cada um de seus convidados. As 15 faixas flutuam bem por sonoridades porque, apesar de terem a batida reconhecível de Sheeran em diversos momentos, cada colaboração soa totalmente como uma faixa de seus colaboradores. 

fonte:omelete

banner plan materia

Comentarios

os comentaio sao de sua problia responsabilidade *

Novidades